Testemunho

Testemunho

Tenho estreitado os laços de amor com Santa Rita de Cássia a cada dia que passa. Sempre fui uma pessoa boa, generosa, mas, por vezes era insegura, instável e infeliz. Mas, o que fazer? Fui levando a vida, pedindo e esperando de Deus o dia que tudo isso iria mudar. Fé e esperança não faltavam, alias, se não as tivesse, não estaria agora contando este testemunho.

Tinha também uma dúvida muito forte sobre o que o Sr. Deus esperava de mim, o que ele havia reservado para a minha vida e sempre, dia a após dia, era essa a pergunta que fazia para ele. A resposta? Não recebia ou eu não conseguia perceber diante de tantos sinais que a vida enviava para mim. Eu me desesperava e ansiava, gerando a insegurança que relatei acima.

Continuando... O Sr. deus permitiu-me que fizesse e colasse grau em uma faculdade de direito. Tive dois filhos e um bom marido. Acontece que a vida é muito dinâmica e nada acontece exatamente como prevemos ou queremos. Meus filhos pequenos e não querendo deixá-los com pessoas estranhas, mesmo pagando, preferi não seguir a carreira naquele momento, adiando para quando eles crescenssem um pouco mais. Assim foi. Outras coisas aconteceram, como por xemplo: As enfermidades chegam em minha casa, meu marido sofreu muito, pois, era diabético. Muitos gastos e eu não estava no mercado de trabalho (pelo menos naqueles que pagam um salário para que eu pudesse arcar com os custos da casa). O pouco dinheiro que a gente tentou economizar durante alguns anos para as "emergências da vida", acabou rapidamente e pouco adiantou para arcar com o tratamento dele. Dentro de poucos anos, ele morreu. Ficou eu e os meus filhos pequenos e não sabia o que fazer. Quando percebi, em mim foi identificado uma depressão "daquelas" e passei a pedir a Deus o SOCORRO dos Céus.

Procurando preparar-me para o mercado de trabalho e sem gastar dinheiro, já que eu precisava era ganhar e não gastar; fui para o SENAC (lá, os cursos naquela época eram baratíssimos) fazer um curso de VITRINISTA e assim sair pelas lojas oferencendo a minha qualificação; ocorre que não havia uma única turma a tarde (filhos na escola) e somente no horário da noite e eu não podia deixar meus filhos sozinhos em casa. Acabei fazendo um outro curso (teatro), para poder estar por perto e assim que abrisse o curso eu pudesse inscrever-me.

Assim seguiu e nada de abrir nova turma para o curso de vitrinista e um ano passou, a nossa turma de teatro recebeu o canudo pelo término do curso e de tudo isso tirei a seguinte certeza: Enquanto fazia o curso, ganhei um tempo precioso na minha vida, não precisei ficar tomando remédios por causa da depressão. Notei então que o teatro me salvou, comecei aí a aprender a conhecer os sinais que a vida nos dá. Percebi que não estamos sós, o Sr. Deus está no comando de nossas vidas é só nós deixarmos. Ele sabe o que precisamos, o que é melhor para nós.

Muito bem. Acontece que para minha saúde, meu interior era muito bom fazer o teatro, viver os personagens; agora para o bolso não, Os pagamentos dos cachês eram quase nada, mal davam para os gastos dos lanches, das passagens. Aí lá vou eu conversar com Deus e eu duzia para ele: " Sr., porque, para quê estou neste caminho, para quê cursei a faculdade de direito e agora estou aqui?" Perguntava e chorava. Eu precisava de uma resposta do tipo se estou certa, se é esse o caminho que devo seguir ou se estou errada.

O tempo passou e só pedia a Deus que ele me desse a calma necessária para saber esperar a resposta e um dia, depois de alguns anos, fui convidada a fazer uma personagem no teatro que confesso não me achei capaz de fazer, já que era uma santa e eu tinha medo de ficar caricata. Não aceitei. Quase que a seguir, fui convidada a aviajar numa turnê pelo nordeste e 7 messes depois de volta ao Rio, fui convidada a assistir a estréia da peça e ao conhecer a personagem, vi que poderia ter feito, pois a personagem antes de ser Santa, foi: filha, esposa e mãe. Viveu no século XIV e seu corpo está até hoje em Cássia na Itália. Eu estou falando de Santa Rita de Cássia. Passado alguns meses fui convidada novamente para fazer o papel e dessa vez aceitei e minha vida mudou, gradativamente mudou. Passado mais ou menos uns 8 anos e olhando para trás eu vejo o quanto mudou.

Para começar hoje vejo o porquê, do SR. Deus me colocar nesse caminho que aceito e agradeço, que é para poder evangelizar através da arte. Não tem sido fácil não, mas, a vida de Santa Rita de Cássia tem me dado o exemplo necessário para eu confiar e ter fé.

Manter em cartaz a mensagem de Santa Rita de Cássia no teatro não tem sido fácil, pois, não tenho patrocínio e os teatros cobram valores por dia para usarmos a sala. Exemplo: um bom teatro com ar funcionando, cadeiras e iluminação perfeita, cobra por volta de 2 a 4 mil reais por dia de apresentação. Já pensou? Fica difícil, né? Já os teatros que cobram um salário mínimo por dia, aqueles que não tem ar condicionado, iluminação precária, algumas cadeiras quebradas e o público quando vem, precisa escolher uma que não esteja quebrada para não cair no chão; não adianta escolher estes, pois, o público que podem pagar e gosta de teatro não vai. Os teatros do governo, os estaduais e os municipais, não se consegue pauta. É preciso ter patrocínio. Ter um nome já consagrado na mídia e outra coisa, as peças teatrais segundo eles, de cunho político ou religioso não há pauta para elas. Resumindo nada é fácil, pode-se dizer que é quase impossível, mas, aprendi a não dar importância para essa possibilidade não. Impossível eu não aceito (suporto, mas, não aceito) e sabe por quê? Ao longo do caminho, das montagens teatrais sobre a vida de Santa Rita de Cássia, eu nunca pensei e nem sequer imaginei que poderia escrever um texto e música, tanto é que nas duas primeiras montagens que produzi, os textos eram de outros autores e isso era ruim, pois, por falta de dinheiro eu era obrigada a parar com a montagem devido aos custos, o público não iam, devido a pouca divulgação nos jornais e nas rádios. Gasta-se em torno de uns 8 mil reais e onde eu iria consegui -los se não através dos patrocinadores? Tinha que parar, pagar as contas e quando eu podia voltar, cadê o texto? Os autores resolviam montar ou liberavam para outros grupos e lá estava eu na estaca zero.

Eu chorava e achava até, que não era merecedora de tal tarefa. Falar de Santa Rita, levar a todos os exemplos de vida que ela nos deixou. Tentei uma vez, a segunda vez e finalmente desisti; mas, não desisti dentro de mim. Fiquei quietinha, resolvi esperar. ESPERAR. Não é no nosso tempo, não? É no tempo de Deus. Um ano depois eu estava conversando com Santa Rita de minha janela do quarto, olhando para o céu durante a madrugada e eu lhe dizia: "Minha Santa já desisti, mas, então porque continuo pensando e esperando o dia que vou montar de novo a peça? Não tenho texto, se pelo menos tivesse o texto, com o figurino e a cenografia já pronta talvez fosse possível montar, mas, sem texto... Se a senhora arranjasse alguém que fizesse o texto e deixasse comigo e nunca tirasse. Minha Santa, essa seria a única forma, senão, eu não agüento mais lutar para montar e nada conseguir. Parava de falar e ai começa a chorar, chorar e isso acontecia quase que diariamente.

O tempo passou e um dia, simplesmente senti vontade de colocar no papel os tópicos importantes da vida de Santa Rita, para que ao conseguir alguém para escrever, fosse bastante fiel a história dela. Como eu fazia muita pesquisa sobre a vida de Santa Rita, não tive dificuldade em colocar no papel os tópicos e comecei e quando dei por mim já eram 5 horas da manhã e percebi que escrevi toda a primeira fase da vida dela; com as cenas, os diálogos totalmente diferentes dos quais eu já havia tido contato. Alguns dias depois escrevi a segunda fase da vida dela.

Terminado, eu sentia uma imensa alegria de ver o quanto eu estava sendo amada por Santa Rita. Imagine, eu não havia pedido para ela que arranjasse alguém para escrever o texto e que não o tirasse de mim? Então, ela fez eu escrever. Comecei a acreditar que sim, O Sr. Deus estava satisfeito comigo e que ele não deixa uma obra pela metade e se ainda não consegui em definitivo levar a todos a mensagem de amor, fé e esperança é porque ainda faltam algumas etapas que certamente o Sr. Deus fará com que eu as ultrapasse no momento certo.

Ah! Depois desse lindo presente, pensei o quanto ficaria bonito se colocasse músicas na peça para mesclar as linguagens de comunicação. Comecei a falar com alguns amigos, mandar o texto para eles na esperança que eles pudessem compor as canções e nada. Vários meses passaram e um dia ousei a pedir a Santa Rita que me ajudasse a conseguir as músicas e ela mais uma vez me deu duas músicas e letras das canções. que coloquei na peça, inclusive postei no YouTube e compartilhei aqui. Vejam se puderem.

Tenho ainda que declarar que não parou aí. Agora já consigo compor músicas e depois disso escrevi um argumento para Cinema e TV. Postei aqui no Blogger "Meu amor, minha vida, minha história de amor" 1ª e 2ª parte. Santa Rita aflorou em mim o DOM de escrever e compor que eu nunca imaginei ser capaz.

É isso que eu precisava falar para você. Tentei não escrever muito para não cansar. Perdoa se não consegui é que achei importante não deixar lacunas no testemunho. Espero que o testemunho sirva para ajudá-lo em sua fé.

Beijos no seu coração

Clleo Funke.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Foto: O corpo de Santa Rita de Cássia na basílica em Cássia - Itália.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário